Jovens produtores iniciam projeto para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas

Jovens da Cooperativa La Fortuna/APECAFE, em El Salvador, e CLAC, assinaram um acordo para o projeto “Recuperação do ecossistema e proteção dos aquíferos na Cooperativa de Café e Bálsamo La Fortuna”, em San Julián, Sansonate, El Salvador, que procura implementar medidas para mitigar os efeitos das mudanças climáticas na Cooperativa, com a participação ativa dos jovens e estabelecer um sério compromisso de manter um ecossistema em condições sustentáveis para minimizar o impacto ambiental através do plantio de árvores típicas, ou seja, espécies reconhecidas na região por sua importância ecológica e comercial.

Teresa de Jesús Buendía, hija de socio de la cooperativa, y firmante.

“Estamos vivendo os efeitos das mudanças climáticas e como jovens produtores precisamos de apoio para descobrir a forma que não nos afete tanto. É importante considerar também nossa opinião nos processos que as organizações têm para melhorar a situação das comunidades, e que as mesmas cooperativas continuem tendo vida”, disse Teresa de Jesús Buendía, filha do sócio da Cooperativa La Fortuna, El Salvador, durante a assinatura do acordo entre CLAC e a Cooperativa.

O projeto conta com o apoio voluntário de Gabriel Marroquín Choto, especialista em sistemas florestais, quem realizará o segmento para a construção e manutenção de viveiros, coleta de sementes; entre outras atividades que estão relacionadas ao reflorestamento nas áreas identificadas. Também irá fortalecer o grupo de jovens participantes para colocar em prática o conhecimento adquirido no desenvolvimento do projeto.

“Gostamos muito da proposta porque partiu dos jovens. É um projeto que nos ajudará a cuidar do nosso meio ambiente, a trabalhar no assunto das mudanças climáticas, sustentabilidade ambiental, sendo protagonizado pelos mesmos jovens. É uma iniciativa que pode fazer a diferença no futuro a favor de nossas organizações”, disse Xiomara Paredes, Diretora Executiva da CLAC.

A assinatura de tal acordo, é um compromisso de interesse mútuo para colocar em prática o que foi aprendido, visando melhorar a situação de vida para as famílias e comunidades da Cooperativa. “Nossas cooperativas têm essa vocação de cuidar do meio ambiente, as vertentes que faltam, e para nós esse projeto levará a uma mudança. E se não abrirmos estes espaços para a juventude isso pode colapsar”, disse Ricardo Puente, presidente da Coordenadoria Salvadorenha (CESPPO).

 

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar