Empoderamento das mulheres e seu trabalho no Comércio Justo

Na CLAC se reconhece o papel incomparável das mulheres e sua contribuição para o desenvolvimento das famílias, comunidades e organizações.  Estatísticas atuais mostram que as mulheres constituem um pouco mais de 43% da força de trabalho na agricultura e que têm menos acesso aos recursos produtivos como a terra, os insumos e créditos, entre outros.

De acordo com o último relatório de monitoramento e impacto Fairtrade, 26% do total dos produtores e dos trabalhadores são mulheres, que cada dia desenvolvem iniciativas visando implementar boas práticas agrícolas, conseguir preços que lhes permitam cobrir os custos de produção e ter a renda necessária para que seu plano seja sustentável.

A Associação dos Produtores Livres de Marcala “Aprolma” é um exemplo de tais iniciativas. Recentemente, seus representantes Gladix Hernández, presidente e Dilcia Vásquez, tesoureira, tiveram a oportunidade de visitar a empresa GEPA, na Alemanha, com o objetivo de divulgar a APROLMA, juntamente com a Denominação de Origem (DO) de Marcala e a Coordenadora Hondurenha de Pequenos Produtores (CHPP). Durante sua visita, tiveram a oportunidade de fazer apresentações em lojas, escolas, além de dialogar diretamente com os compradores, abordando questões que preocupam como Organização, tais como: preço, concorrência e tendências de mercado, que é muito importante conhecer a fim de tomar decisões a nível da organização e, assim, enfocar melhor suas ações.

“Foi uma experiência muito boa que nos permitiu apresentar todo o trabalho que é feito como uma organização de produtores, desde a produção até a comercialização do café, além de conscientizar o público sobre os custos de produção de café,” disse Gladix Hernández, Presidente.

É interessante ressaltar que os resultados desta visita permitiram que representantes de APROLMA tivessem uma melhor visão do mercado alemão, bem como das necessidades dos produtores no país, além de concretizar maiores vendas para esta nova colheita.